Empresários paraenses participam de Rodada de Negócios Internacional

 

A geração de negócios foi a prioridade da Feira do Empreendedor 2018. A Rodada de Negócios Internacional, promovida pelo Sebrae junto ao Centro Internacional de Negócios do Pará (CIN) por meio da Federação das Indústrias do Pará (Fiepa) foi uma tradução deste objetivo, promovendo principalmente a aproximação comercial entre os empreendedores paraenses e traders de diversos países.

“Tivemos aproximadamente 30 empreendedores agendados para se reunir com quatro traders internacionais. Este ano, optamos por não focar em um país específico, dando maior oportunidade de entrada dos empresários à comercialização internacional”, explica Maryellen Pinto, responsável pela Rodada Internacional e o espaço Oportunidade de Negócios na feira deste ano.

O presidente da Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio, Indústria e Agricultura (Italcam), Nico Rossini, participou da rodada e ressaltou o potencial do Pará para exportação, em especial na indústria alimentícia: “Essa é a primeira vez que venho a Belém e percebo muitas oportunidades: geleias, biscoitos, produtos que sem dúvida farão sucesso na Itália e na União Europeia. É um prazer participar desta Feira, que realmente me surpreendeu positivamente”.

Para reunir com traders internacionais, os empresários paraenses vêm se preparando para apresentar seus produtos de forma objetiva e eficaz. “Essa é a hora em que todos os treinamentos devem transparecer. Através do programa Rota Global, fazemos um trabalho de mapeamento e amadurecimento da empresa e suas necessidades reais para ele chegar onde quer. A Rodada de Negócios Internacional é o ápice disso e quem ganha sempre é o empresário”, explica Cassandra Lobato, coordenadora do CIN.

Aline Figueiredo, representante da empresa Dom Cookie, participou de mais de 20 reuniões e ficou feliz com o resultado. “Todos se interessaram bastante pelos produtos e apontaram alguns requisitos que ainda precisamos cumprir e certificações para obter, que com certeza conseguiremos com o apoio do Sebrae”, explica a empresária, que produz cookies com insumos da Amazônia como nibs de cacau e frutas regionais.